⌚ Wearables: o impacto das tecnologias vestíveis

David Sena

David Sena

Cirurgião Plástico
Autor do livro “O que você precisa saber sobre Cirurgia Plástica”
CEO GestãoDS
Investidor-anjo em health tech
David Sena

Wearables: o impacto das tecnologias vestíveis

No artigo O impacto da Internet das Coisas (IoT), discutimos diversas possibilidades que surgem ao se conectar objetos à internet. Nesse contexto os wearables são uma tecnologia exponencial que impacta diretamente ou indiretamente no dia a dia do médico.

O conceito de wearables parte da ideia da interconectividade que ocorre na Internet das Coisas só que em relação a dispositivos eletrônicos vestíveis.

Essa tecnologia possibilita que sensores em contato com nosso corpo na forma de roupas e acessórios possam se conectar com outros aparelhos ou à internet. Os exemplos variam desde relógios, colares, camisas até jaquetas inteligentes.

A ideia do wearables surge para redefinir o conceito homem-máquina. No qual o usuário veste os gadgets que permitem diversas funções e auxiliam nas necessidades do dia a dia. Desde as mais banais, como medir os batimentos cardíacos até as mais complexas como controlar a acidez do suor relacionando a concentração de ácido lático no organismo e assim, potencializar os resultados de atletas de alto desempenho.

A primeira aplicação dentro do conceito de tecnologias vestíveis que envolve gadgets surge no século XIII, quando os óculos foram inventados. Mais tarde, no entanto, os primeiros relógios portáteis foram criados no século XVI.

No entanto, a popularidade se deu em 2002 com o fone de ouvido Bluetooth que possibilitava ouvir música sem  a necessidade de fio conectando os dispositivos.

“À medida que a Internet das coisas avança, a própria noção de uma linha divisória clara entre a realidade e a realidade virtual torna-se confusa.  Às vezes de formas criativas.” – Geoff Mulgan

Entre 2006 e 2013, dentro dos laboratórios da Google, inicia-se o processo de desenvolvimento do Google Glass. Ele surge com a promessa de uma interface entre usuário e dados de forma orgânica e intuitiva. Apesar do alto potencial de benefício ao mercado global, em especial ao setor médico, como apoio a procedimentos cirúrgicos e a relação médico-paciente. Teve seu uso limitado por diversas questões de privacidade e usabilidade.

Em 2014, somos apresentados ao Apple Watch. Um relógio que prometia ser muito mais que apenas uma interface de interação com o iphone. A indústria, no entanto, continuou se expandindo em um crescimento exponencial, na qual  a cada inovação a multiplicação é evidente.

1. Possibilidades ilimitadas

Para a Euromonitor, empresa que realiza pesquisas no setor de wearables. Esse tipo de gadget se tornará o produto mais consumido e vendido do mundo, depois dos smartphones. A expectativa é que até 2020, o número de unidades exceda os 305 milhões, com taxa de crescimento anual composta de 55%.

Recentemente a Apple lançou o “Apple Heart Study (AHS)”. Um estudo de pesquisa conduzido para avaliar se o Apple Heart Study App pode usar dados coletados no Apple Watch. Para identificar ritmos cardíacos irregulares, incluindo aqueles de condições cardíacas potencialmente graves, como fibrilação atrial. Até 500.000 pessoas podem participar do estudo de forma espontânea e os dados de ritmo cardíaco são coletados e analisados em tempo real e comparados.

Se você parar para pensar é um estudo global em tempo real, com resultado imediato que só está sendo possível devido a tecnologia dos wearables, internet das coisas(IoT) . Também, é claro, o desejo de abocanhar uma parcela dos mais de 3 trilhões gastos em saúde só nos EUA. Logo abaixo, compartilho o registro no clinical trials do estudo.

O fato da Apple conseguir liberação do FDA,  para considerar o apple watch um sistema avançado de eletrocardiograma e reconhecer a sua habilidade de detectar e notificar um ritmo cardíaco irregular, é no mínimo algo disruptivo.

Ao conseguir a liberação de uso pelo FDA a Apple passa a completar as etapas dos 6D descritas por Peter Diamandis. Conforme discutimos no artigo Como entender o ciclo das tecnologias exponenciais.

“Quando falamos sobre a Internet das Coisas. Não é apenas colocar tags de Identificação por radiofrequência em algo idiota, então nós, pessoas inteligentes, sabemos onde essa coisa estúpida está. Trata-se de incorporar inteligência para que as coisas fiquem mais inteligentes e façam mais do que se propuseram fazer.” – Nicholas Negroponte

Ao incluir um equipamento até então de uso exclusivo médico em um produto comum como um relógio(desmaterialização). Dando acesso a qualquer um que tenha o gadget (democratização) e que possua uma conta na apple store para download gratuito do aplicativo (desmonetarização). A Apple inicia o processo de consolidação do apple watch como uma tecnologia com alto potencial disruptivo.

Apesar de juntamente ao anúncio, vir o alerta de que o aplicativo não tem a intenção de substituir métodos tradicionais de diagnóstico e tratamento. Quanto tempo vai levar para que isso realmente aconteça?

Vale no entanto lembrar que liberar o uso não significa aprovar o uso. Classificação esta destinada apenas para produtos tipo FDA classe III de alto risco e alto benefício como o marcapasso implantável, por exemplo. No caso do apple watch sua classificação foi de classe II.  Produto de baixo risco e considerado similar a um produto que  já tenha sido previamente regulamentado pelo FDA .

Apesar do inquestionável benefício das possibilidades desse lançamento. Existe uma grande preocupação em relação a enorme quantidade de falso positivos para doenças inexistentes que podem resultar em comportamento alarmante e desnecessário da população ao procurar médicos e emergências. Estes locais já tradicionalmente amontoadas por pacientes com necessidades reais.

2. Wearables na Medicina

Em uma pesquisa recente realizada pela Beecham Research e o Grupo Wearable Technologies, o novo cenário para as tecnologias de wearables apresenta um rápido desenvolvimento. O estudo foi baseado em sete setores-chave: Encantamento(glamour), Comunicação, Estilo de Vida, Esporte/Vida Saudável, Bem Estar, Medicina, Segurança e Operação de Negócios.  Como podemos verificar na imagem logo abaixo.

O estudo é bem abrangente em relação as possíveis aplicações, funções e produtos para cada tipo de categoria que já está em atividade ou surgirá em um futuro próximo.

Em específico para o setor médico, algumas aplicações possíveis são o monitoramento e responsividade de sinais vitais para pacientes a distância, implantes “in vivo” para o controle e gerenciamento de doenças crônicas (como o diabetis por exemplo),  reconhecimento de atividade cerebral e movimento ocular para melhora dos sentidos como a visão e audição, controle de equipamentos e próteses exoesqueléticas para amputados ou mesmo comunicação não verbal entre pessoas e/ou máquinas.

Os wearables passam a ser uma fonte de dados e interface entre corpo e máquina. Ao utilizar a associação com outras tecnologias exponenciais como inteligência artificial, blockchain, internet das coisas vai ser uma peça importante no avanço da medicina que conhecemos hoje.

Equipamentos antes exclusivos para uso intra-hospitalares como oxímetros, capnógrafos, eletrocardiogramas e eletroencefalogramas passam a ter versões domiciliares integradas. Como faixas na cabeça para detecção de lesões cerebrais, pulseiras para monitorar o oxigênio do sangue, patches e tatuagens com sensores cutâneos para monitorar sinais vitais e até mesmo lentes de contato para monitorar o nível de açúcar no sangue.

Referências:

https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT03335800

https://www.theverge.com/2018/9/13/17855006/apple-watch-series-4-ekg-fda-approved-vs-cleared-meaning-safe

http://www.beechamresearch.com/article.aspx?id=20

Gostou do nosso conteúdo? Então, entre em contato conosco através das nossas redes sociais!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

✍ Deixe seu comentário

📢 Compartilhe com os amigos

🕵 E nos siga nas redes sociais

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

🏠 SITE: www.gestaods.com.br

👍🏻 FACE: https://www.facebook.com/gestaods/

📷 INSTA: @gestaods – https://www.instagram.com/gestaods/

📰 BLOG: http://blog.gestaods.com.br/

👩‍💼 LINKEDIN: https://www.linkedin.com/company/gestao-ds

David Sena

Cirurgião Plástico Autor do livro “O que você precisa saber sobre Cirurgia Plástica” CEO GestãoDS Investidor-anjo em health tech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *